Como foi o dia 14 de maio de 1888 para os negros libertos da escravidão?

Imagem ilustrativa mãos quebrando correntes
Imagem disponível em : https://nossacausa.com/abolicao-da-escravatura/

É sabido que muitos falam a respeito do dia 13 de maio de 1888. Poderíamos dizer: Tudo bem, mas, ao meu ver, não tem nada de tudo bem, devemos questionar, cobrar, irmos além do que nos contaram e querem continuar contando, como se fosse a verdade o que os livros trazem. Será que é a realidade do que aconteceu? Será que vão contar a verdadeira história?

Pois bem, vamos lá! Sabemos que nos livros de história o dia 13 de maio de 1888 foi marcado como sendo a libertação dos escravos. Estes que foram tirados de suas terras de origem e levados à força para o Brasil, para trabalharem e construir esta atual nação, mas afinal, o que de fato aconteceu após a abolição de 13 de maio de 1888? 

O que aconteceu já no dia 14 de maio de 1888. Será que houve a tal liberdade ou esta foi uma libertação apenas para inglês ver? Como se deu esta liberdade já no dia seguinte? Perguntamos: Foi preparada esta liberdade para os Negros adaptarem – se e ajustarem – se à terra? 

Será que entregaram aos Negros libertos algum dinheiro ou algum quinhão de terra para eles trabalharem e cultivarem? Deram aos Negros recém libertados o necessário para comprarem sementes, animais, mantimentos, roupas, sapatos etc. O que é que deram para os Negros “livres”,  já no dia 14 de maio de 1888?

Estas respostas possivelmente muitos não irão encontrar nos livros de história, pois a ninguém interessa tal tema. Interessa dizer que foram libertos e que muitos voltaram a trabalhar como escravos. Será que foi isso que realmente aconteceu no pós abolição? Pois bem, alguém se pergunta qual foi o motivo de retornarem às fazendas. Então, é claro que muitos regressaram devido a não terem para onde ir, nem todos, pois muitos se deslocaram para os quilombos e outros ficaram a própria sorte em lugares distantes e em montanhas, cujos espaços não eram de interesse dos senhores da terra da época.

Alguns pontos questionados já sabemos a resposta, outros, carecem  de pesquisas para trazermos as verdades que não foram contadas e não são contadas nos livros tradicionais. Sabemos que assim que libertaram os negros fizeram diversas leis e estas sempre para prejudicá – los. 

Houve uma lei instituída para que os Negros não pudessem frequentar as escolas nem as igrejas. Além das que impediam que os Negro ficassem pelas ruas das capitais e com isto muitos se mudaram para lugares remotos a fim de não serem enquadrados como vagabundos pelos policiais da época, os quais prendiam os Negros que não tinham terras nem estavam trabalhando, pois para a elite eram negros que estavam a vadiar. 

E quanto a indenização pelos serviços forçados, porque não houve uma reparação? Não houve reparação pelos trabalhos, pois há muitos escritos que dizem que os escravos eram propriedades dos senhores da Terra. Coisa que é abominável, pois todos somos feitos à imagem e semelhança de Deus. Isto é o que se encontra nas escrituras. Então, podemos destacar que não houve nenhuma repartição dos lucros recebidos pelos trabalhos forçados e com isso muitos acabaram nas ruas, sem ter o que fazer e com as leis sempre contra eles, estes deixaram de ser escravos para serem perseguidos e trancados pela polícia. 

Como se pode perceber, não houve uma libertação coerente, não se fez o estudo das causas e consequências e logo, os Negros foram jogados às ruas e os empregos que foram gerados eram distribuídos aos estrangeiros brancos que vinham da Europa e da Itália entre outros países.

Quanto aos Negros, restaram trabalhar por pratos de comida, muitas mulheres acabaram prostituindo – se e desta forma, vejo o dia 14 de maio como um dia trágico, pois o povo Negro continuava sofrendo, de maneira diferente, mas era o início de um novo sofrimento para aqueles que estavam distantes de suas terras de origem. 

Muitos escravos trabalharam até não mais aguentar e quando foram libertos no dia 13 de maio de 1888, por imposição da Europa, os escravocratas queriam indenizações para libertação dos escravos. E quem é que pagaria pela mão de obra forçada, roubadas anos a fio dos Negros escravizados? 

Devemos questionar, quais descendentes dos donos da terra devem reparar aos descendentes dos escravizados, pois os donos das terras enriqueceram às custas dos trabalhos forçados dos escravizados.

Pergunto novamente, algum escravocrata pagou aos seus libertos tudo o que eles tinham de direito para que estes pudessem comprar terras, mantimentos, sementes, animais? Esta pergunta fica no ar para que todos possamos refletir.

Diante deste cenário, podemos compreender que após a abolição, já no dia 14 de maio de 1888, os Negros não tiveram nenhuma indenização pelos trabalhos forçados. Além dos Negros não poderem frequentar as Escolas, pois a lei proibia, sem contar que os Negros eram presos, pois instituíram àquela época a lei da vadiagem. Desta forma, volto a perguntar, cadê a liberdade que foi assinada em 13 de maio de 1888. Esta, ninguém sabe e ninguém viu. Portanto, precisamos continuar em busca da verdadeira história e apurar com propriedade os fatos, para que possamos chegar às indenizações devidas pelos donos da terra da época, cujos herdeiros estão se beneficiando até os dias de hoje, em detrimento da exploração.

Diante de toda esta problemática vejo que agora é hora de juntarmos todas as informações possíveis para que possamos criar um documento que possa embasar a nossa busca por correções nas histórias que são contadas. É hora de realmente cobrarmos o que foi feito com o povo Negro antes e após o dia 14 de maio de 1888. 

Texto elaborado por Álvaro Jeronymo

Revisado por Roseane Moreira

Imagem do Alvaro Jeronymo

Deixe uma resposta